Amor pela Cozinha

Amor pela Cozinha

Mocotó (SP)

Consegui viver o prazer de almoçar no Mocotó que, há 40 anos, traz o melhor da comida nordestina para os moradores de São Paulo. Digo “consegui” porque, da primeira vez, fiquei uma hora e quarenta e cinco minutos  na fila e desisti de tentar uma mesa para almoçar – apesar de ter chegado lá às 11:45h de um domingo.

Na segunda tentativa, também num domingo, saímos de casa às 10:45h. Quando chegamos no Mocotó às 11:00h, a fila já contava com 12 pessoas. Vinte e cinco minutos depois, 40 pessoas formavam uma fila que não parava de crescer, rapidamente tomando por completo a calçada da fachada. A uma certa altura, a fila passou para a calçada do outro lado da rua. Em uma palavra: impressionante. “Pelo menos hoje a gente senta” era o mantra que nos alegrava enquanto esperávamos. Aos sábados e domingos, as portas são abertas às 11:30h para acomodar parte da fila, mas o almoço só começa a ser servido ao meio dia.

Vale a pena enfrentar a fila para almoçar no Mocotó

Vale a pena enfrentar a fila para almoçar no Mocotó

Até descobrir o Mocotó, confesso que eu considerava a “localização conveniente” um fator crítico de sucesso para um bom restaurante, num grande centro urbano como São Paulo. Mas este restaurante fica na Vila Medeiros, muito longe para quem, como eu, mora em Moema ou em outro bairro qualquer da Zona Sul. E não é só longe, é difícil de encontrar. Então, por que tanta gente aceita levar 45 minutos atravessando a cidade para ficar, com sorte, pelo menos 1 hora na fila de um restaurante? Para vivenciar a alma genuína da gastronomia nordestina do Mocotó.

Meu desafio aqui é tentar descrever o que faz do Mocotó Restaurante & Cachaçaria um tamanho sucesso, um dos melhores exemplos de singularidade empresarial que conheci. Não existe um fator isolado que o torna único. Na verdade, um melting pot de fatores tornam a experiência distintiva.

A começar pela história. As paredes do restaurante transpiram memórias autênticas da longa trajetória de pai e filho, apaixonados por servir uma boa comida com hospitalidade. Fundado em 1973 pelo pernambucano José Oliveira de Almeida, o Mocotó começou servindo caldo de mocotó em copos. A iguaria criada pelo “Seu Zé Almeida” ficou famosa no bairro – além dos produtos típicos que você podia comprar e levar pra casa, tais como carne seca, farinha de mandioca, rapadura, bolachas e queijos nordestinos.

Há 5 anos, seu filho, Rodrigo Oliveira, um jovem paulistano de 29 anos, assumiu o comando do restaurante para inovar o cardápio e imprimir a criatividade que o turbinou nos anos de faculdade de gastronomia, e nos mais de 30 mil quilômetros rodados pelo país para conhecer a arte de fabricação da cachaça – uma de suas paixões.

Merecidas 2 Estrelas do Guia 4 Rodas, dentre outros prêmios

Merecidas 2 Estrelas do Guia 4 Rodas, dentre outros prêmios

O ambiente é muito descontraído, de uma simplicidade confortante. Gente de todas as classes sociais e origens dividem a fila e as mesas do restaurante, como se fossem todos iguais. Ali você se sente de verdade à vontade. Quando as pessoas conseguem uma mesa, vibram como se tivessem sido premiadas.

Ambiente descontraído e democrático tem muitas histórias para contar

Ambiente descontraído e democrático tem muitas histórias para contar

Linha de produção de batidas pronta para começar

Linha de produção de batidas pronta para começar

A comida é simplesmente deliciosa, dessas que a gente logo percebe que foi feita com amor. Recomendo não ter pressa e curtir os petiscos e as porções de entrada que trazem surpresas adoráveis. Obviamente, experimentei o famoso Caldo de Mocotó (R$ 7,90 o mini) feito de tutano de osso, preparado do mesmo modo há mais de 35 anos. Também é imperdível o Torresmo em Unidade (R$ 4,90 a unidade), que você deve comer sem culpa – porque certamente não se encontra nada parecido em lugar nenhum. Não importa as juras e promessas que você vai ter de fazer para se dar o direito de comer sem remorso, o que importa é que você deve experimentar.

Há 35 anos, o melhor Caldo de Mocotó de São Paulo

Há 35 anos, o melhor Caldo de Mocotó de São Paulo

Não deixe qualquer sentimento de culpa te impedir de experimentar o Torresmo

Não deixe qualquer sentimento de culpa te impedir de experimentar o Torresmo

Também é imperdível degustar, na abertura, os Dadinhos de Tapioca (R$ 16,90 a porção), cubinhos de tapioca com queijo de coalho dourados e servidos com molho de pimenta agridoce. E para os amantes de coalho como eu, é obrigatório pedir o Queijo de Coalho com Melado (R$ 5,90 a unidade), preparado na manteiga de garrafa e acompanhado de um melado de cana muito gostoso.

Entrada triunfal, não pode faltar

Entrada triunfal, não pode faltar

Para os amantes do coalho, imperdível

Para os amantes do coalho, imperdível

Quase caí pra trás quando meu prato principal foi servido, a Paleta de Cordeiro do Velho Chico (R$ 89,90). Servida apenas aos domingos como “Especial de fim de semana”, é uma paleta super macia, assada com molho de vinho e cuscuz de milho com legumes caipiras. É sem dúvida a melhor paleta de cordeiro que já comi na minha vida. Imperdível e impossível descrever, você tem de experimentar para entender. Mas atenção: o prato serve 4 pessoas tranquilamente! Não tente pedir para comer sozinho, ou você vai passar vergonha. A menos que faça como eu – deixei de lado se era brega ou não, e pedi para embrulhar o resto pra levar pra casa.

A melhor Paleta de Cordeiro que já comi

A melhor Paleta de Cordeiro que já comi

Serve tranquilamente 4 pessoas

Serve tranquilamente 4 pessoas

De sobremesa, minha irmã fez um golaço pedindo a Tapioca Doce (R$ 14,90), um clássico nordestino com doce de leite. Na saída, você também pode levar algumas iguarias do “Empório” que marcam as origens do Mocotó: manteiga de garrafa; molho de pimenta; melado de cana; rapadura; farinha de bijú de Goiás; farinha de mandioca pernambucana; polvilho doce para tapioca; doce de jaca em calda; a cachaça Francesinha de jacuba ouro, baunilha natural e umburana; e o Energético Sertanejo (vinho de catuaba, marapuãma e guaraná); dentre outros.

Tradição nordestina com doce de leite…

Tradição nordestina com doce de leite…

Na entrada do restaurante, o Empório de pérolas nordestinas do Mocotó

Na entrada do restaurante, o Empório de pérolas nordestinas do Mocotó

O Mocotó é uma experiência gastronômica divertida e única, mesmo depois de ficar 1 hora na fila esperando por uma mesa qualquer. É divertido, inclusive, comer uns petiscos na calçada, dividindo com outros clientes as diminutas mesas altas que o restaurante colocou para tornar menos desconfortável a espera.

O Chef Rodrigo Oliveira, por diversas vezes, transita pelo salão saudando os clientes, perguntando se estão gostando da comida e espalhando o sorriso de quem trabalha ali guiado pela paixão de servir. Na saída, não pude deixar de comprar o cardápio (R$ 19,90) e pedir para o Rodrigo assinar. No seu texto, a alma do Mocotó: “Obrigado pelo prestígio! Espero que este cardápio lhe traga sempre boas recordações! Um abraço, Rodrigo e Família Mocotó!”.

Rodrigo, espero que as recordações que imprimi neste post te façam mais uma vez sentir aquela sensação tão prazerosa de “missão cumprida”!

Lembrança do empreendedor brilhante, Rodrigo Oliveira

Lembrança do empreendedor brilhante, Rodrigo Oliveira

Mocotó Restaurante & Cachaçaria
Av. Nossa Senhora do Loreto, 1100
Vila Medeiros – São Paulo
Telefone: 11 2951-3056

A simplicidade da fachada esconde o espetáculo gastronômico

A simplicidade da fachada esconde o espetáculo gastronômico

4 Comentários

  1. Oi Fernando,
    Sou Viviane, doutorando em Administração pela UFPE e estudo estratégia empresarial tendo como objeto de pesquisa restaurantes….assim foi maravilhoso encontrar o seu blog e o seu texto sobre o Mocotó pois ele é um dos meus estudos de caso.
    Assim como vc também adoro comer !!!!! Parabéns pelo blog e continue tendo sempre muito prazer em viver.
    Abraço

    por VIVIANE SANTOS SALAZAR às 11h04 03/04/2014

    1. Puxa Viviane, que legal sua mensagem! Muito obrigado! Parabéns pela escolha do Mocotó, acho de verdade um dos cases de empreendedorismo e propósito maior autêntico mais lindos que o Brasil esconde. Forte abraço e boa sorte no seu doutorado! Fernando Luzio

      por Fernando Luzio às 23h04 14/04/2015

  2. eu sou um nordestino de sangue, estou montando um restaurante nesses moldes, em brasilia.

    por arlindo às 10h03 22/03/2015

  3. viva nosso brasil, precisamos de coisas do nosso pais, tenho orgulho de ser nordestino,por tudo que vivi estou montado, um restaurante { MISTURA BRASIL} com cardapio { cabrito, carneiro, carne de sol da madrugada, buchada, sarapatel, mocoto,dobradinha,javali, avestruz, ] em brasilia [ sobradinho dos melos ]

    por arlindo às 10h03 22/03/2015

Deixe um Comentário

Erro. Por favor, verifique os campos em vermelho.

* Seu e-mail não será divulgado

Seguir

Seja informado das últimas postagens que acontece em meu blog: